Pular para o conteúdo principal

Doce de Sagu





Outro dia, ocasionalmente, falando sobre doce de sagu com uns amigos, lembrei de uma passagem relacionada com esse doce. Essa lembrança me remeteu à uma época remota da minha vida, entre a infância e a adolescência, e à minha família - especialmente à minha mãe.  Durante uma certa época considerei o que aconteceu meio constrangedor. Mas, agora, passado tanto tempo, considero até engraçado.  
Cursava o Ensino Fundamental 1, antigo Ginásio, numa cidade do Rio de Janeiro - Nova Friburgo, no Colégio Anchieta.
Na altura dos meus 13-14 anos, estava voltando de uma das férias de fim de ano, indo de São Paulo para o Rio, de onde, em seguida, iria para Nova Friburgo. O horário de partida do ônibus foi calculado de forma que eu chegasse no Rio pela manhã.
Na Rodoviária, ao se despedir,  minha mãe me entregou um potinho com doce de sagu ao vinho tinto, embalado num saco plástico. Disse que havia feito especialmente para mim, pois sabia que eu gostava. Recomendou que eu o comesse durante a viagem. Aceitei, sem questionar, e agradeci - para não melindrá-la.
Na verdade, embora gostasse, entendia que não era a hora nem lugar para comer esse doce.  E, além disso, não queria ficar carregando aquilo.
Como sempre preferia, sentei e me acomodei na 'janelinha' de um dos bancos do ônibus, com o doce ainda nas mãos. O ônibus partiu, tomou a estrada – a famosa via Dutra, e seguiu viagem.  Depois de algum tempo, noite avançada, todos dormindo no ônibus em movimento, abri parcialmente o vidro da janela, e  esvaziei o pote de sagu através dela.
A partir daí, dormi tranquilo, até o fim da viagem.
Ao descer na Rodoviária do Rio, pela manhã, vi um pessoal, em pé, ao lado  do ônibus, olhando para a sua lateral toda manchada de vermelho - ainda com os restos do sagu que eu havia jogado, e comentando entre si:

'Nossa... O cara deve ter passado mal mesmo!'
Não falei nada. Apenas ouvi. Abaixei a cabeça e fui em frente,  para a próxima etapa da viagem.

“Não se arrependa de nada. As coisas boas, deixam alegria; as más, deixam lições; e as maravilhosas, deixam lembranças.”



(JA, Ago16)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,