Pular para o conteúdo principal

Descobrimento do Brasil

 Desembarque de Cabral em Porto Seguro, 1932 -^- obra de Oscar Pereira da Silva, 1867-1939 

O navegador português, Pedro Álvares Cabral, a quem é atribuída a descoberta do Brasil, nasceu em Belmonte, em 1467 ou 1468, filho do alcaide-mor daquela localidade. Com cerca de 10 anos foi para a corte e, anos mais tarde, viria a casar-se com uma sobrinha de Afonso de Albuquerque. Sabe-se que D. João II lhe concedeu uma tença, embora se ignorem os motivos.


Pedro Álvares Cabral aos 32 ou 33 anos de idade em uma pintura do início do século 20

Depois do regresso de Vasco da Gama da Índia, em 1499, Pedro Álvares Cabral foi nomeado comandante de uma frota de treze navios que partiram em março de 1500 com destino à Índia. Seguiu a rota indicada por Vasco da Gama, mas, ao passar por Cabo Verde, sofreu um desvio maior para sudoeste, atingindo, a 22 de abril de 1500, a costa brasileira. Mandou um navio a Portugal com notícia da nova da descoberta, e seguiu para a Índia, chegando a Calicute a 13 de setembro de 1500.

 

 

Vários barcos se perderam, entre eles o de Bartolomeu Dias, que naufragou perto do Cabo da Boa Esperança, que ele próprio dobrara anos antes pela primeira vez. Depois de cumprir a sua missão no Oriente, Pedro Álvares Cabral regressou a Portugal em 1501, e foi fixar-se nos seus domínios, na zona de Santarém, onde acabaria por falecer em 1520. 

Carta de Pero Vaz de Caminha ao rei D. Manuel I, em 1500, comunicando o descobrimento da Ilha de Vera Cruz pelo navegador Pedro Álvares Cabral

A carta de Pero Vaz de Caminha é um documento essencial e curiosíssimo de um momento supremo da História, e da cultura portuguesa, e, como tal, um paradigma da literatura de viagens do Renascimento, e da cultura nova, de base experimental e tendência crítica, na qual, segundo Jaime Cortesão, está contido o ‘fermento’ responsável pelo espírito filosófico do século 18.

Trata-se de uma verdadeira carta-narrativa, na qual são descritos a geografia, a fauna, a flora do Brasil, a aparência e a psicologia dos nativos, os métodos e experiências de contato dos portugueses e as reações mútuas, obviamente a partir de uma perspectiva etnocêntrica, que estuda a nova terra e a população com o objetivo de colher algum proveito: ‘Nesta terra’ não pudemos saber que haja ouro, nem prata, nem coisa alguma de metal ou ferro, nem lho vimos. A terra, porém, em si é de muito bons ares [...]. Mas o melhor fruto que dela se pode tirar me parece que será salvar esta gente’.

A própria ‘salvação’ religiosa da população nativa é capitalizável, na medida em que os portugueses acalentavam então a noção de que a grandiosidade dos seus empreendimentos derivaria do fato de os feitos da sua História se relacionarem com a expansão da fé cristã e, como consequência, sendo sempre beneficiados pela proteção de Deus. É a mesma concepção providencialista da História portuguesa que encontramos em ‘Os Lusíadas’.

A expansão era encarada, não só como o alargamento da civilização e da cultura, em que o homem de então, mais perfeitamente realizava as suas potencialidades - a portuguesa -, mas também através da qual Deus mais dilatava no mundo a sua lei.

Numa perspectiva humanista e neoplatónica, portanto, era através da expansão portuguesa que o Homem se aproximava cada vez mais do estatuto divino, o qual, aliás, se cumpre metaforicamente nos cantos finais de ‘Os Lusíadas’.

Deste modo, a Carta do Achamento do Brasil é um documento fundamental para a compreensão do Renascimento português, logo, também da História do mundo. 

 Fonte: Estórias da História

 

(JA, Abr21)

 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,