Pular para o conteúdo principal

Realidade Inesperada


Ana era uma moça recém formada em Engenharia de Produção, que trabalhava já há alguns anos em uma corretora de valores. Seu salário era razoável, e havia lhe permitido adquirir o imóvel onde morava atualmente. Tinha o seu próprio carro, e desfrutava de um padrão de vida confortável para alguém da sua idade.

Oportunamente, fez um teste, uma entrevista, para um novo emprego e acabou sendo convidada para trabalhar na fábrica de uma tradicional montadora de automóveis instalada no país. Esse era o seu sonho, desde a época de estudante. O salário oferecido era um pouco inferior ao atual, mas era inicial, e as perspectivas de evolução eram muito promissoras.
Informou sua intenção ao seu superior na corretora. Ele, a principio, não ficou contente com a notícia, mas acabou aceitando seus motivos, e ainda orientou ao RH para efetivar seu desligamento como se a empresa a estivesse dispensando, permitindo assim que ela recebesse todos os benefícios adicionais previstos para esses casos, em consideração aos bons serviços que ela havia prestado até  então.
Ela se despediu das pessoas mais próximas e, como combinado com o RH, não relatou o motivo verdadeiro, dizendo apenas que pretendia fazer, algumas coisas que sempre quisera fazer, mas que ainda não havia conseguido, por conta do vínculo que tinha com a empresa.

Como ela era una pessoa muito conhecida e querida por todos, a notícia inesperada gerou comentários, que acabaram sendo postados nas redes sociais frequentadas pelos diversos grupos de funcionários da corretora. 
Começaram a surgir as mais variadas versões sobre os motivos. Essas versões foram sendo repetidas, ampliadas, e, com a recorrência, algumas, as mais 'dramáticas', passaram a ser consideradas como verdadeiras.
Ocasionalmente, semanas após, o ex-chefe direto de Ana, o Sr. Luis, por outras razões, também se desligou da empresa. Então, as versões tomaram um outro rumo, sendo ampliadas, vinculando um caso ao outro.  
Nenhum dos dois, nem Ana nem o Sr. Luis, embora tivessem ficado a par do que estava acontecendo, se incomodaram muito. Naturalmente, eles tinham outras preocupações prioritárias nessa nova fase de suas vidas.
Por outro lado, a empresa optou por não entrar nas redes e explicar o que aconteceu. Considerou que se tratava de um assunto particular e que, além disso, a sua versão, provavelmente, seria considerada uma defesa tendenciosa, pois estava sendo criticada, acusada de não ter agido corretamente.  Isso poderia estimular ainda mais os comentários negativos daqueles que repudiavam o que agora acreditavam ter sido uma ‘injustiça’.
Um consultor especializado foi contratado para avaliar o caso. Ele concordou com a atitude adotada pela empresa. 
Segundo ele, as redes sociais reúnem as pessoas em grupos que, de modo geral, têm as mesmas crenças e valores, muitas vezes inconscientemente. Quando algo que seja postado contraria seus princípios, isso é considerado um insulto, independentemente das razões, e o seu autor passa a ser tratado como um ‘inimigo’, muitas vezes sendo excluído do grupo pelo administrador.
Por outro lado, quando o postado vem ao encontro dessas crenças e valores, logo é validado, e assumido como fato.
Esse comportamento é explicado pelo professor da New School for Social Research de Nova York,  Leon Festinger, na sua tese; ‘Dissonância Cognitiva’.  Essa dissonância, segundo ele, torna a pessoa incapaz de mudar de opinião diante de uma contradição; passa a ser imune às evidências e argumentos racionais. Nas palavras de Festinger, o  indivíduo que sofre dessa disfunção é definido assim: ‘Diga que discorda, e ele lhe dará as costas. Mostre fatos e números, e ele questionará as fontes. Apele para a lógica, e ele será incapaz de entender seu raciocínio.’
Portanto, concluiu ele, a melhor atitude é a empresa  seguir fazendo o que sempre fez, observando suas regras e princípios e, com o tempo, resgatará a confiança daqueles que a criticam atualmente, à medida em que  forem sendo confrontados, de forma recorrente, com a ‘realidade inesperada’, completamente diferente daquela que imaginaram no passado.

Imagem: Edvard Munch, 1893 - ‘O Grito’


(JA, Abr16)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,